ITIL – Gerenciamento de Configuração

4

Missão:

Deve controlar a informação dobre todos os componentes da infraestrutura de TI, incluindo versão, elementos constituintes e seus relacionamentos, dispositivos de HADWARE, SOFTWARE, SISTEMAS DE APLICAÇÕES, DISPOSITIVOS DE REDE e TELECOMINICAÇÃO, DOCUMENTOS, PROCEDIMENTOS, INSTALAÇÕES e qualquer outro item que faça parte de TI.

Atividades:

  • Planejamento;
  • Identificação;
  • Controle;
  • Informações de Status;
  • Certificação e auditoria dos itens de configuração.

Objetivos:

  • Fornecer gerenciamento de TI com maior controle dos itens de configuração da organização;
  • Manter os dados precisos e atualizados no banco de dados do gerenciamento de configuração;
  • Manter informações precisa dos relacionamento entre os itens de configuração e os serviços;
  • Gerenciar versões, status e propriedade dos itens de configuração;
  • Efetivar auditoria dos itens de configuração autorizados;
  • Assegurar mudanças controladas pelos procedimentos do controle de mudanças.

Conceitos

Item de Configuração (IC): Representação lógica dos componentes da infraestrutura.

Categorias: Hardware, software, pessoas, componentes de rede, documentação.

Atributos: Características do item de configuração, por exemplo, nome, versão, número de série, categoria ou tipo, localização, responsável ou proprietário, fornecedor, datas de fornecimento, vigência da garantia, relacionamentos, identificador dos incidentes, identificador dos problemas, indicador de mudanças etc.

Banco de dados do gerenciamento de configuração (BDGC): é um repositório centralizado de serviços e componentes da infraestrutura, capaz de conter todos os dados e informações suficientes para o controle dos processos. O BDGC além de conter todos os itens de configurações, possui os relacionamentos desses itens com os demais.

Ponto crítico de decisão: é o nível de controle dos itens de configuração (IC) que podem ser vistos pelo alcance e detalhe.

Alcance: é a abrangência ou extensão dos itens de configurações (IC) que devem ser objetos do Banco de dados do gerenciamento de configurações (BDGC).

Infraestrutura

Dentro do BDGC podem controlar: servidores, estações de trabalho, impressoras, software, manuais, documentos, procedimentos, relacionamentos entre servidores, aplicações e banco de dados, entre outros.

O gerenciamento de configuração também é responsável por gerar o baseline (registro da infraestrutura e das características dos produtos, estabelecimento em determinado tempo) utilizando para uma possível regressão e reconhecimento da configuração antes de uma mudança.

 

Atividades e gerenciamento de configuração

O gerenciamento de configuração possui as seguintes atividades:

  • Identificação: Coletar as informações dos itens de configuração conforme escopo do processo. Deve-se criar uma nomenclatura para os recursos e padronizar.
  • Acompanhamento dos status: Registrar o estado atual e anterior de uma IC (itens de configurações), de forma que se possam rastrear as alterações realizadas.
  • Planejamento: Definir o escopo e profundidade do BDGC, determina o nível de detalhe e como os itens de configuração devem ser especificados.
  1. Escopo: Define o que será incluído, quais itens serão contemplados no BDGC.
  2. Profundidade: nível de detalhamento que será atribuído para cada IC.
  • Controle: Garante que o BDGC seja atualizado somente quando houver um RDM (requisição de Mudanças) aprovada. Procedimentos devem ser adotados de modo que todas as mudanças sejam documentadas.
  • Verificação e Auditoria: Verifica se a existência física do componente da infraestrutura está igual ao item de configuração BDGC. A primeira audiência deve ocorrer logo após o preenchimento do BDGC.

Benefícios

  • Informações detalhadas sobre infraestrutura: Com um controle efetivos dos itens de configurações, o banco de dados do gerenciamento de configuração (BDGC) estará sempre atualizado, fornecendo informações importantes para a prestação de serviços de TI.
  • Suporte a outros processos ITIL: A analise dos itens de configurações e seus relacionamentos facilita a resolução de problemas e a implementação de mudanças, pois permite verificar o impacto das mudanças no planejamento financeiro, uma vez que verifica a utilização dos itens de configuração.
  • Relacionamento com outros processos: Todos os processos dentro do ITIL estão vinculados ao gerenciamento de configuração, ou pelo menos consultarão o banco de dados dele. Porém, o gerenciamento de mudança e liberações possui um relacionamento mais próximo.
    Para esse processo são indicados os seguintes indicadores de performance:
  1. Quantidade de chamados resolvidos com informações do banco de dados do gerenciamento de configuração;
  2. Número de itens de configuração não autorizados;
  3. Tempo que a mudança leva para iniciar e acabar.

Dificuldades

Durante a implantação do gerenciamento de configuração, algumas dificuldades podem ser encontradas, entre elas:

  • Nível de detalhamento não é suficiente. Caso não haja informações suficiente, pode dificultar a tomada de decisões para outros processos.
  • Mal planejamento de atualização BDGC. Caso ocorram mudanças de emergência fora do horário de trabalho, as pessoas podem não estar autorizadas a realizar alterações BDGC, deixando este comprometido.
  • Comprometimento da equipe. Ela deve ser responsável em atualizar o BDGC sempre que houver uma mudança, ou liberação de um novo serviço.

 

Share.

About Author

4 Comentários

    • Sim, assim como fornecedores, contratos, manuais, etc. contudo, é importante que você tenha em mente que quanto mais ICs é maior o trabalho de manter o BDGC consistente.

Leave A Reply